Empresa Júnior Mackenzie Consultoria

Blog

O que é?

Design Thinking é uma metodologia criativa baseada no processo de criação de design. Ela pode ser aplicada tanto no processo de criação, quanto na implementação de melhorias em ferramentas e tecnologias.

De certa forma, o método também pode ser utilizado tanto em produtos como em serviços, ou seja, além de estar presente no processo criativo de desenvolvimento de mercadorias, também pode ser aplicada na resolução de problemas enfrentados no cotidiano das empresas.

Design Thinking vai muito além da questão estética de um produto e do marketing realizado por meio dele. Ele traz consigo uma abordagem criativa e crítica, um novo conceito que gera inovação. Sobretudo, ele vem sendo cada vez mais utilizado nas empresas que objetivam aprimorar seus serviços e permitir um planejamento mais ágil e melhor estruturado.

Alguns exemplos de grandes organizações que adotaram essa abordagem são a Netflix, Havaianas e Natura. Analisando a dimensão desses negócios, podemos deduzir a eficácia dessa metodologia.

Qual é o objetivo principal dessa metodologia?

A tradução de Design Thinking é “pensamento de design”, como o próprio nome já diz, essa é uma abordagem que tem como intuito trazer inovação às empresas. Por meio dela, é possível extrair insights, melhorias e novas ideias para otimizar os processos e atividades do modelo de negócio.

O objetivo principal é permitir que o processo criativo da empresa seja realizado de forma coletiva, reunindo ideias e visões diferentes dos seus próprios colaboradores.

Os 3 pilares Design Thinking:

Além das etapas mencionadas anteriormente, a metodologia é sustentada por três pilares, sendo eles a empatia, colaboração e a experimentação. Vejamos uma a uma:

1. Empatia: Essencial na imersão, pois é por meio da empatia que você poderá compreender melhor quais são as principais dores do público que precisam ser solucionadas;

2. Colaboração: Importante na etapa de idealização, pois nesse momento a colaboração é essencial para que possamos fazer otimizações;

3. Experimentação: Ninguém está imune ao erro, e a experimentação, que está presente na etapa de prototipagem, é o momento para que os erros possam ser corrigidos e as aprimorações possam ser feitas.

Como colocar em prática o Design Thinking na minha empresa?

Primeiramente, é importante que a criatividade e inovação façam parte da cultura da sua empresa, caso contrário, esse é um ótimo start para que essas mudanças sejam implementadas. A cultura organizacional é essencial para a adaptação a qualquer mudança que ocorra na organização, e quanto mais flexível essa cultura for, melhor para a execução de novas metodologias e tecnologias.

Atrelado a cultura organizacional, é fundamental que todos os colaboradores envolvidos saibam trabalhar em equipe e que a criatividade seja o principal condutor das decisões tomadas, visando não apenas a inovação, mas também o bem-estar na vida dos consumidores desses produtos e serviços.

Etapas do Design Thinking

Como toda metodologia, o processo do Design Thinking também é dividido em etapas, elas visam analisar as possíveis melhorias, escolher os melhores meios para traçar soluções e o planejar a aplicação dessa solução. Vejamos as etapas a seguir:

Imersão:

Nessa primeira etapa, será realizado um estudo para melhor entender sobre o ambiente em que a empresa se encontra. Para que seja realizada esse passo de maneira mais assertiva, será feita uma análise SWOT que visará compreender quais são as forças, fraquezas, oportunidades e ameaças que são encontrados no ambiente externo. É importante ressaltar que os feedbacks dos clientes facilitam essa análise e compreensão sobre o posicionamento da empresa no mercado.

Além disso, realizar uma análise PESTEL também é fundamental, pois será possível ser feita análises sobre todos os cenários em que a organização está envolvida, por meio de estudos sobre os fatores tecnológicos, políticos, ambientais, sociais, culturais, econômicos e todos aqueles cenários que de certa forma acabam afetando a sua organização.

Além dessas ferramentas, uma opção viável é a realização de uma Pesquisa de Mercado. Aplicando essa pesquisa em uma pequena amostra, é possível adquirir dados importantes que auxiliem na etapa seguinte.

Idealização:

Com a etapa anterior concluída, agora partimos para o brainstorming. O brainstorming é a “chuva de ideias”, ou seja, é o momento em que a equipe irá se reunir para compartilhar seus insights e visões, além de identificar sua viabilidade. É muito importante que o ambiente seja dinâmico e bem leve, para que os participantes se sintam à vontade para emitir suas ideias e opiniões.

Nessa etapa, é interessante o uso de dados para uma compreensão mais estatística, esses dados podem ser obtidos através de ferramentas como a pesquisa de mercado, sendo assim as chances de acertos serão bem maiores.

Prototipagem:

Esse é o momento em que ocorre a seleção das ideias que surgirão na etapa anterior. As ideias selecionadas serão aquelas que possuem mais chances de darem certo. Em caso de produtos, será nessa etapa que os investimentos devem ser feitos, ou seja, aqui serão criados os protótipos, em caso de artigos tecnológicos, a primeira versão beta. Já para serviços, aqui serão desenvolvidos as análises gráficas, simulações e qualquer ação que seja necessária para avaliar a eficiência do da tarefa.

Desenvolvimento:

Essa é a última etapa e aqui todas as ideias serão colocadas em prática. Desta forma, além da equipe envolvida nesse processo, haverá a participação de áreas como marketing, comunicação e comercial. Agora é a hora de vender a solução que foi criada e verificar a sua aceitabilidade pelos consumidores. Nesta etapa é de suma importância analisar todos os processos envolvidos na comercialização do produto criado ou da prestação do novo serviço, com o objetivo de sempre estar melhorando.

Benefícios do Design Thinking

Um dos principais benefícios de todo o processo é o custo financeiro. A implementação dessa metodologia possui despesas muito baixas, além de trazer inovação que gera a vantagem competitiva. Essa é uma oportunidade de adquirir mais receita e obter maior lucro.

Outrossim, é que mediante as ideias adquiridas ao longo do processo, a empresa cria algo diferente e dispara na frente dos concorrentes com um possível diferencial. Considerando que cada vez mais os consumidores estão mais criteriosos, essa pode ser uma forma de potencializar suas vendas e faturar muito mais. Além disso, não podemos deixar de mencionar as vantagens no contexto da cultura organizacional.

Por meio do Design Thinking e o trabalho em equipe, os colaboradores têm a oportunidade de se desenvolver habilidades colaborativas trazer novas ideias, serem mais criativos e empáticos ao buscar sanar as necessidades de seus consumidores. De certa forma, o resultado é um ambiente organizacional mais motivado, produtivo e empenhado no crescimento da empresa.

Concluindo, o Design Thinking é fundamental para o sucesso de uma empresa que visa crescer e se destacar no mercado. Por meio desse método, será possível fazer a diferença no futuro da sua empresa. Então não perca tempo, seja criativo e evite a “cultura do medo” em sua empresa!


0 comentário

Deixe um comentário

Avatar placeholder

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *